terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Deu o tapa e escondeu a mão

Artifício dos covardes. Ficou clara a indignação dos jogadores avaianos com as palavras do colunista gaúcho antes do clássico.

Marquinhos e depois Rafael Coelho deram nome ao boi: Marcos Castiel. Que para não deixar a fama de medroso para trás não respondeu, não se manifestou ou pediu desculpas.

Os jogadores sentiram-se ofendidos não só como atletas, mas como homens e pais de família. E é esse o limite a que os jornalistas da capital ainda não se deram conta.

Eles geralmente usam de palavras tão duras com os profissionais, e já citei aqui de casos que aconteceram com jogadores do time do estreito também (né Evair?) que não se tocam que por trás de um atleta tem sua família, seus pais, seus filhos...

Quero ver agora algum jornalista recém saído do banco da faculdade fazer alguma defesa em relação a esse cidadão.

Mas acho que vai ficar por isso mesmo, são poucos os que criticam a "poderosa", pois como detentora do monopólio das comunicações no Estado quem levantar a voz fica desempregado, ou funda jornal de bairro...

3 comentários:

  1. Estava escutando aGuaruja (nao sei como escuto ainda)o programa show de bola e nele aparece uma entrevista com o jogador Breitner(nao sei como escreve) do tombense, perguntando para ele o que ele achava das declarações do Marcinhos quanto a comparação feita dele com o jogador da tombense o qual ele (segundo os radialista)teria falado que compara ele com o 5 reserva do santos nao da, a resposta do jogador d]a tombense foi que o Marquinhos estava em fim de carreira e que ele teria apenas 21 anos, e que tinha perdido o respeito pelo galego. Para né Ô eu entendo que hoje nao tem comparação entre os dois, o galego esta anos luz na frente dele, quem sabe se o jogador da tombense despontar, mais tarde ele pode falar alguma coisa
    Guilherme Flemming

    ResponderExcluir
  2. A imprensa toda, sem exceção, está sempre pronta a reclamar da liberdade, mas somente de uma parte dela que chamam de "liberdade de imprensa". Maior do que a "liberdade de imprensa" é a "liberdade de expressão". Com respeito e responsabilidade, qualquer cidadão tem o direito de se expressar. Rafael Coelho e Marquinhos fizeram isso, sem problemas. Dia desses Ronaldo Nazário criticou o trabalho da Bandeirantes e os apresentadores de lá tiveram um ataque de pelancas. Podem criticar o trabalho de um jogador e não podem receber críticas ao seu? Cadê a liberdade?
    Segue uma sugestão:
    Nominar os profissionais de imprensa que trabalham nos jogos e fazer uma comparação entre eles, atribuindo notas, como fazem com jogadores, técnicos e árbitros. Votação dos leitores. Tão democrática quanto aquelas enquetes que fazem por telefone. Queria ver a cara deles...

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Escutei também e o Rogério Luis (tombense declarado), condenou a atitude do marquinhos em compara-lo ao britner(?).
    corporativismo fdp.

    Abs,

    Fábio Azurra

    ResponderExcluir

Comentários anônimos serão excluídos. Sugere-se a utilização das demais formas de identificação disponível.