segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

E no blog do Lédio Carmona...

Não poderia ser mais fiel aos anseios do torcedor. Um clássico com gol de raça, contra-ataques, nervosismo e até virada momentânea. Para premiar um belo espetáculo e fazer justiça a um jogo em ebulição o tempo todo, o empate em 2 a 2 entre Figueirense e Avaí não poderia ser mais justo. O único que saiu perdendo foi o histórico. Há três anos nem azurras nem alvinegros comemoram uma vitória no derby catarina.

O Figueirense entrou em campo líder e o Avaí na penúltima colocação. Mas quando a bola rolou, pouco importou. Ambos foram vorazes como se defende uma primeira posição ou como se precisa para conquistar uma guinada. O Figueira deu pinta de que iria dominar como vem dominando o catarinense. Heber ganhou a camisa 9 de Reinaldo, substituído na véspera com uma lesão, e fez como o titular faria: recebeu na área, girou e chutou cruzado para explodir um lado do estádio. Do outro, os avaianos tinham a arma que outrora pertencera ao adversário. Rafael Coelho não teve pudor de comemorar, e muito, o gol do empate no mesmo Orlando Scarpelli que dois anos antes chamava de casa.

As equipes alternavam a supremacia da partida. E quando os azurras pareciam ter perdido a cabeça, tomando cartões, o goleiro Zé Carlos fez um lançamento rápido para Fabiano (o genro do Luxa), que enfiou para Rafael Coelho botar no meio da área e William bater forte, mesmo em velocidade. Cinco toques na bola desde o guarda-metas até a virada. Porém o gol saiu cedo demais para um clássico. Tanto que o técnico alvinegro, Márcio Goiano, olhou pacientemente para o relógio e nem demonstrou receio. Prova disso é que dois minutos depois, Wellington apareceu no primeiro poste e cabeceou como se deve. Girando o corpo todo, não apenas a cabeça. Um foguete de testa que deixou tudo igual.

Figueira e Avaí saíram de campo na mesma posição na tabela. Mas não saíram como entraram. O Campeonato Catarinense não será mais o mesmo.

2 comentários:

  1. Rafael Coelho, é avaiano desde pequeno, quem conhece ele sabe.E outra o Figayra, esnobou ele ,e recebeu o troco!!!

    ResponderExcluir
  2. Rogério, não deve ter sido o Lédio quem escreveu, pois parece uma redação de vestibular (sempre em cima do muro).

    ResponderExcluir

Comentários anônimos serão excluídos. Sugere-se a utilização das demais formas de identificação disponível.