quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Resultado normal em Vilhena!

Comentar sobre o jogo de hoje é difícil. Ouvindo apenas pelo rádio, tem-se muita imaginação e pouca realidade sobre os lances da partida desta noite. O fato é que o Avaí fez seu papel e, ao que parece, construiu a vitória com naturalidade.

Estrada fez o primeiro, terceiro em três jogos (estou contando aquele mal anulado), e Batoré fez dois. O último, após assistência do talentoso Maurício Alves, que deve crescer muito de produção com Silas - técnico que conhece bem os atalhos dentro de campo e sabe orientar os seus comandados para aproveitar todo seu potencial durante suas apresentações.

Muito embora todos reconheçam a grande superioridade do Avaí em termos de estrutura, condições financeiras e importância no cenário nacional, a Copa do Brasil é um campeonato que oportuniza a ocorrência das maiores "zebras" do futebol brasileiro. Por isso, é necessário cuidado especial a cada jogo.

Hoje, por exemplo, o River Plate venceu o Botafogo. Aos desavisados, estou falando de Copa do Brasil e não da Libertadores, ou seja, é o River Plate de Carmópolis mesmo que jogou em Aracaju. O primo pobre do time argentino jogará pelo empate na próxima quarta-feira no Engenhão. Até este momento, o IAPE-MA (???) vai empatando com o Atlético Mineiro.

O Avaí fez seu dever de (fora de) casa em Rondônia. Ganhou uma semana e meia de "folga" e agora só pensa na primeira final do Catarinense 2011: o jogo contra a Chapecoense, marcado para 05/03/2011.

Um comentário:

  1. Pedro,
    Sou Avaiano e atualmente, por questões profissionais, moro em Aracaju-SE e trabalho em Carmópolis-SE. O River Plate é da cidade de Carmópolis, que fica a 55 km de Aracaju. O jogo contra o Botafogo foi realizado aqui em Aracaju porque Carmópolis não tem condições de ser palco da Copa do Brasil. Como aqui o pessoal privilegia os times de fora, a torcida do Botafogo certamente era em maior número.
    Grande abraço! Saudações Avaianas!
    Cleber

    ResponderExcluir

Comentários anônimos serão excluídos. Sugere-se a utilização das demais formas de identificação disponível.