terça-feira, 5 de abril de 2011

Afronta à poderosa!

Rogério, boa tarde

Hoje criei coragem. Um pouco tarde, mas aconteceu. Liguei para a poderosa e cancelei minha assinatura do DC. Após muito tempo refletindo, tentando achar um motivo para não fazê-lo, imaginando que essa perseguição ao AVAÌ era coisa da minha cabeça, da tua e demais avaianos que compartilham da mesma idéia, tomei a decisão. Cheguei e me rotular de “tanso” por achar que havia uma preferência pelo cacareco do Estreito, de enxergar somente coisas ruins a respeito do nosso Leão, tanto no jornal, como na Tv e no rádio. Não, não pode ser, tô ficando paranóico, assumi. Com o tempo, percebi que o termo imparcialidade não consta no dicionário deles. A coisa vai desde o espaço de tempo usado na TV, até as manchetes tendenciosas, sarcásticas e debochadas.

Mas a coisa veio num crescente. Dias e dias, meses e meses, anos e anos, é sempre a mesma coisa. Tem crise, tem DM lotado, tem torcida ruim, o presidente tá perdido, o parceiro passou a perna, o planejamento é uma m..., a fila, o mosquito mordeu, a pipoca ta velha, etc. Toda semana, algo de ruim acontece, enquanto lá pras bandas do Estreito, fala-se, escreve-se e mostra-se as maravilhas e a sabedoria de quem realmente “entende” de futebol. Agora é essa história hipócrita da violência, batendo na tecla da aparência, sem buscar a essência do problema.

Mas o meu dia chegou. Tentaram me demover da idéia, reconheceram que “talvez” um ou outro “profissional” possa ter emitido opinião apaixonada e de quebra, tiveram a cara de pau de tentar me empurrar uma “promoção”, um produto melhor para a minha assinatura, como se a minha decisão e a minha consciência tivessem preço. Um papo que começou com voz mansa (da parte deles), ao melhor estilo “enrrolation”, acabou num mal humor característico de quem não consegue impor sua idéia, diante da minha decisão de cancelar a assinatura. Não sei se meu dinheiro fará falta à eles, mas não o verão mais.

Pra finalizar, só uma pergunta: Num Gre-nal, se o Grêmio ganhasse no Beira Rio ou o Inter no Olímpico, o Zero Hora teria coragem de colocar a manchete “Na casa do adversário é mais gostoso”, como colocaram no jornaleco 2ª feira?

O que você acha ?

Sigam-me os bons e saudações azurras

Wilson

4 comentários:

  1. "MO QUIRIDO" WILSON...(você demorou), NÃO DÁ PARA LHE SEGUIR...JÁ CANCELEI A MINHA FAZ HORAS...

    RICA - JÚLIO RICHARD CÂMARA.

    ResponderExcluir
  2. Wilson, é nome de craque...

    deverias cancelar também as postagens fanáticas e admitir que venceu quem jogou melhor.... o Avai está há um ano sem jogar bem, como venceria um clássico.. são 20 derrotas dentro da Ressacada conra 15 vitórias, somo fregues e pronto, não deveríamos jogar pedras.

    ResponderExcluir
  3. Rogério e Pedro, achei bem interessante a entrevista coletiva do Marquinhos nesta terça, que está no Infoesporte: http://www.infoesporte.com.br/video/avai/coletivas/2c9f94b62f21c77f012f27808eed0375/05042011/Entrevista-com-Marquinhos-Santos

    As respostas dele foram bem diretas. Gostei da entrevista, e concordo quando ele diz que está atuando isolado na criação do time. Sei que muitos torcedores estão querendo ele no banco, mas eu não concordo. Pra mim o nosso time é Marquinhos e mais 10.

    ResponderExcluir
  4. eles são gremistas no sul.
    existe reclamação tb, não sei se é tãããooo declarado assim.
    Tenho familiares la que me disseram que em POA o MAL não se criava pq eh um câncer aberto para o clube.
    A própria torcida pediria sua cabeça.

    Outra coisa, do jeito que eles são bairristas jamais aceitariam paulistinha de merda opinando diariamente sobre o futebol deles.
    Nesse ponto eles estão certos mesmo, pq só aqui em Fpolis que aceitamos cariocas (badu), mineiros (rui), paulistas (sememdesapo), gauchos (uma tropa), tubaronenses (alano e faraco), chapecoenses (anão de jardim), maravilhenses (PBranchi), biguaçuense (mal) e "espanhol" (PBrito).
    Nós somos burros mesmo, pq ter que escutar opiniões de fora sobre futebol eh fuego.

    ResponderExcluir

Comentários anônimos serão excluídos. Sugere-se a utilização das demais formas de identificação disponível.