quinta-feira, 19 de maio de 2011

Análise tática completa de Vasco x Avaí

Copa do Brasil – Bom futebol, nada definido
por André Rocha

O posicionamento de Diego Souza – mais avançado, praticamente como um terceiro atacante – surpreendeu e desequilibrou o sistema defensivo do Avaí. Sem sobra do trio de zaga no 3-4-2-1 de Silas, o mesmo esquema tático da ótima campanha no Brasileirão 2009, a equipe catarinense teve em Marcinho Guerreiro personagem fundamental na recuperação ao longo da primeira etapa.

Primeiro salvando de cabeça gol certo de Diego Souza no início da partida. Depois voltando para se juntar aos três zagueiros, vigiar o camisa dez vascaíno e garantir a sobra de Bruno.

Apesar dos gols apenas nos últimos dez minutos, mais acréscimos, a disputa em São Januário foi interessante. O time de Ricardo Gomes, alternando o 4-3-1-2 habitual e o 4-3-3, sempre tentou acelerar o jogo e centralizou a criação em Felipe, vigiado por Acleisson e pouco inspirado nos passes decisivos. Mas perigoso no chute forte que Renan espalmou.

O Avaí tinha duas alternativas nas ações de ataque: inversões de Marquinhos para Julinho pela esquerda para cima de Allan e jogadas aéreas na bola parada para os zagueiros e William, o único atacante. Assim a equipe ameaçou com Gustavo Bastos e Bruno. Na jogada de Marquinhos Gabriel, que passou para a ala direita com a entrada de Robinho no lugar de Felipe, William cabeceou e Fernando Prass salvou no reflexo.

* O restante da análise, com planilha e tudo, você vê aqui.

Seja o primeiro a comentar

Postar um comentário

Comentários anônimos serão excluídos. Sugere-se a utilização das demais formas de identificação disponível.