quinta-feira, 19 de maio de 2011

Do Blog do Juca

Nau vascaína balança contra Avaí, mas empata


Por RAFAEL BELATTINI

São Januário foi o palco da primeira partida da sétima semifinal do Vasco na Copa do Brasil.

As arquibancadas estavam cheias, apesar de ser estranho o público pagante anunciado de 15.823, sendo que antes havia sido divulgado a venda de mais de 17 mil ingressos.

O rival da vez era o Avaí, pronto a dar mais uma frustração aos cruzmaltinos que só alcançaram a final do torneio em uma ocasião.

E frustrar os grandes era a especialidade do Leão da Ressacada, que já deixára para trás Botafogo e São Paulo.

O primeiro tempo foi agitado e as melhores chances aconteceram logo no começo.

A torcida vascaína só não comemorou o primeiro gol antes dos dois minutos porque Marcinho Guerreiro tirou de cabeça, no último instante, o chute de Diego Souza.

Aos 10 foi a vez de Renan, que já se destacou contra o São Paulo, dar um desvio providencial no chute de Felipe.

Então o Avaí percebeu o espaço que tinha pelo lado direito da defesa vascaína e passou a atacar mais.

William demorou demais para concluir e perdeu boa chance aos 12.

Três minutos depois Julinho levou perigo em chute de fora da área.

Depois dessa pressão inicial o jogo continuou movimentado, com boas arrancadas, mas com muitos erros de passes na hora da definição.

No segundo tempo a tática de ambos os times foi a mesma.

O Vasco partiu para o ataque enquanto o Avaí se segurava na defesa.

A primeira boa chance foi de Diego Souza, aos 9, com um chute que passou rente à trave e deixou Renan apenas na torcida para a bola não entrar.

O jogou voltou a ficar equilibrado, mas eram do Vasco as melhores chances de tirar o zero do placar.

Aos 16, Alecsandro tinha tudo para marcar, mas Renan saiu nos pés do atacante e impediu o gol.

Pouco depois Ricardo Gomes tirou o camisa 9 para colocar Elton, que perdeu uma ótima oportunidade criada por Diego Souza logo em seguida.

Aos 23 foi a vez de Fernando Prass trabalhar e evitar que William abrisse o placar de cabeça.

Vasco seguia desperdiçando chances ao errar detalhes e ia lamentar muito isso.

Se não levar gol em casa já era uma boa mesmo se não marcasse, a vantagem foi-se embora no chute de Julinho, aos 35, no cantinho, sem chances para Prass. 1 a 0 Avaí.

O clima de festa transformou-se em silêncio quebrado apenas pelas vaias para Ramon, que falhou na origem do gol catarinense.

A redenção de Ramon poderia ter acontecido se Seneme tivesse marcado pênalti de Renan no jogador do Vasco.

Não marcou esse, mas marcou pênalti em lance muito mais duvidoso em Elton que teria sido agarrado por Gustavo Bastos.

Diego Souza cobrou nos acréscimos e deixou tudo igual. 1 a 1.

Agora o Avaí tem tudo para derrubar mais um dos tradicionais clubes brasileiros e chegar à final da Copa do Brasil. Empate sem gols basta na Ressacada.

Ao Vasco, se não quiser cair em mais uma semi, resta ir para o ataque em Florianópolis. Leva a vaga mesmo com uma vitória ou com empate por dois gols ou mais.

Seja o primeiro a comentar

Postar um comentário

Comentários anônimos serão excluídos. Sugere-se a utilização das demais formas de identificação disponível.