sexta-feira, 27 de maio de 2011

Premiação!

Em 92, ouvi do então presidente Nilson Fidelis, o Pico, que os jogadores avaianos pediram um prêmio de oito mil pela conquista do título a ser decidido contra o Brusque, e que ele havia afirmado que não poderia pagar mais que cinco mil. Resultado, apenas dois atletas dormiram na concentração e o título ficou com o Brusque.

Particularmente, acho que o Pico pisou na bola. Um jogo festivo para entrega de faixas com um grande clube teria pago qualquer prêmio, com sobras. É possível que mais coisas extra-campo tenham ocorrido então.

Agora, parece-me estranho que os mesmos jogadores que saíram de campo depois da vitória sobre o São Paulo uma semana atrás, festejados e aclamados com justiça, em coro da torcida, de "guerreiros", tenham jogado essa partida medíocre de ontem, sem sequer demonstrarem garra, sangue, ou tesão e ainda coadjuvados por um treinador que perdeu o rumo de tudo.

É comum, na reta final dos campeonatos, que o assunto "premiação" venha à baila, teria sido debatido entre os muros da Ressacada? Tudo indica que sim, estávamos a um jogo da decisão final. Dizem que a história se repete. Dizem também que o Avaí costuma perder para si próprio. No caso do Pico se confirmou esse vaticínio, com cerfteza. E ontem? - Roberto Costa (O nosso)

5 comentários:

  1. Olha...

    Já pensou se no meu trabalho me pedem para entregar um projeto... E eu exijo um "bixo" por isso?

    É A OBRIGAÇÃO JOGAR BEM! Recebem mensalmente pra isso... Aliás, eles RECEBEM MUUUUUUITO BEM pra isso!!!

    Isso é continuar alimentando os mercenários e pessoas com caráter duvidoso!

    "Á mais o mundo do futebol é assim..."

    Então tudo que está errado no mundo, deixa errado porque é "tradição"? Para né!

    Podem até discordar... Mas isso, pra mim, não é questão de opinião; e sim do que é CERTO ou ERRADO.

    O jogador não joga só pelo clube ou pela torcida... JOGA POR ELE.

    Eles não ganhariam mais indo à uma final? Mais visibilidade, maior chance de aumento salarial, maior valorização... Melhorar o currículo, Enfim!

    Esses aí de 92, se fossem campeões, veja só, seriam CAMPEÕES! Mas e aí? Foram porra nenhuma...

    Sem mais... Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Esse episodio é bastante conhecido, bem como aquele contra o Fortaleza. Mas o caso do Vasco não é um caso normal, isso com certeza, não.
    Quem viu o jogo vai ser dificil aceitar que tudo foi normal. Eu e muito gente esta decepcionado com a atitude de muitos jogadores. A torcida foi achincalhada. Isso nao tem perdão.

    ResponderExcluir
  3. Thiago, não estou defendendo nada. Mas a realidade de hoje é o mercenarismo, é a regra, vai longe o tempo em que jogador considerava o valor da camisa. - Rolberto Costa

    ResponderExcluir
  4. Eu também acredito que teve e tem coisa extra-campo.
    Ninguém de sã conciência que conheça um pouquinho de futebol pode acreditar naquele futebol medíocre apresentado naquele dia.
    Não pode um time que parou aquele ataque do São Paulo, não conseguir jogar nada naquele dia.
    E é bom que esses jogadores sejam negociados e mandados embora mesmo.

    ResponderExcluir
  5. Da boca do Zunino saiu que o acordo aceito pelos jogadores era: da premiação que o clube recebe em cada fase da CB, paga-se as despesas dos jogos e, do que sobra, metade vai para o clube e metade vai para os atletas.
    Também que, para o campeão, a premiação acumulada de todas as fases ultrapassaria os três milhões.

    ResponderExcluir

Comentários anônimos serão excluídos. Sugere-se a utilização das demais formas de identificação disponível.