quinta-feira, 26 de maio de 2011

Um baque logo de cara

O gol do Vasco, logo aos 3 minutos de jogo, ditou nossa sorte nos 90 minutos. Não dá para fazer um comparativo ao gol tomado contra o São Paulo. Lá anulamos o tento paulista no minuto seguinte, e depois fomos perseguir os outros dois gols que nos davam a vitória.

Foram situações distintas. O Vasco de ontem é um time muito mais experiente, com um camisa 10, Diego Souza, que fez a sua melhor partida pelo time carioca.

Todo o trabalho deles foi facilitado pelo gol logo no início. Ao Avaí ficou o dilema "se atacar posso tomar outro gol e se não ousar fico sem a vaga".

Foi como se tivéssemos perdido por 1x0 em São Januário e aqui precisássemos vencer por 2x0. Já havia alertado que o empate em 1x1 lá não nos dava vantagem alguma, teríamos que vencer o Vasco de qualquer forma, e nas circunstâncias, fazer 3 gols neles.

Não vou crucificar nenhum jogador avaiano, nem Revson, que jogou improvisado na posição de zagueiro, mais uma vez.

Temos que ser adultos e admitirmos que o time vascaíno é muito superior ao nosso. Diego Souza, Felipe e Éder Luís estão em outro nível.

O restante do time tem jogadores muito bons, como Eduardo Costa, Dedé, Fernando Prass e Alecssandro.

Perdemos para um time com qualidade superior, que está invicto há 18 jogos! Não conseguimos reagir, méritos para eles, chegamos até onde deu.

Devemos ficar tristes pela derrota, mas ao mesmo tempo enxergar nossas limitações. Agora é focar no Brasileirão, não há tempo para tristeza, temos a obrigação da vitória no sábado, contra o Atlético-MG.

6 comentários:

  1. Rogério, excelente análise.
    O Vasco foi feliz, presenteado com um gol contra nosso e fez uma grande partida. Jogaram melhor e mereceram. Nossas esperanças estavam na raça Avaiana, mas o organizado Vasco não deu chance. A raça não se manifestou. Agora é o seguinte, dá orgulho ver um time limpo assim, não apelou em momento algum. Como estou a 3000 km da Ressacada, vi pela globo e os comentários foram de uma grande partida e que o Avaí valorizou a conquista deles.
    Obs: só não entendi o porquê de o Estrada não ter iniciado a partida.

    ResponderExcluir
  2. 4 jogos 2 gols contra! isso não é jogador de time que quer ganhar alguma coisa!!!

    ResponderExcluir
  3. concordo 100%
    matamos 60 adversários direta ou indiretamente e ainda não somos o Barcelona que gostaríamos ser.
    O clube ainda tem limitações e nessa hora só desejo que as mentes saibam minimizar tais limitações.

    Abs

    ResponderExcluir
  4. O fato de o adversário ter alguns jogadores de nível superior, não deveria ser, necessáriamente, determinante para nossa derrota.
    O que definiu a nossa derrota foi o conhecido efeito Revson e a escalação equivocada do Silas, que é, realmente, um retranqueiro e ainda é cínico quando diz que não é.
    Todos nós sabíamos que o jogo não seria fácil, mas esperávamos que fosse, pelo menos, difícil também para o Vasco.
    Espero que essa derrota faça com que a diretoria abra o olho e note que este time não é bom para o brasileiro.

    ResponderExcluir
  5. Perfeito!!!

    O Vasco foi muito superior, experiente e soube administrar com inteligencia. Nós voltamos sábado para a Ressacada, fazer aquilo que sabemos fazer bem: TORCER!!!

    Que nossas limitações não nos deixem fora da Série A.

    Abraços

    Carmen

    ResponderExcluir
  6. O time podia jogar mal, só não podia era entrar em campo sem tesão, sem espírito de luta e foi o quer fez. Completamente diferente daquele que venceu o São Paulo. Sem querer desmerecer a vitória do Vasco, que fez o seu papel, mas não entramos para ganhar, alguma coisa esfriou o ânimo dos jogadores, talvez a fixação do prêmio por um possível título tenha ficado aquèm da expectativa dos jogadores. Essas coisas são negociadas no calor dos jogos decisivos. É uma hipótese. - Roberto Costa

    ResponderExcluir

Comentários anônimos serão excluídos. Sugere-se a utilização das demais formas de identificação disponível.