segunda-feira, 6 de junho de 2011

George Lucas e outras considerações

O lance do gol lembrou aquele vídeo do George Lucas. Cruzamento perto do bico da grande área e gol.

É a segunda partida dele, quem sabe aos poucos o seu futebol cresça assim como sua confiança após graves lesões.

O time do Avaí, por sua vez, voltou a ficar sem padrão. Estamos vivendo o mesmo problema do ano passado (a partir do final do primeiro turno do Brasileirão). A cada jogo uma nova formação e quem pega a bola não sabe o que fazer.

Quando o Silas estava definindo os 11 titulares, sai Marquinhos e o trabalho recomeça, pois sem ele o time tem que procurar outras alternativas para ser competitivo. Antes foram lesões e suspensões após o jogo do Botafogo pela Copa do Brasil.

Na defesa, terceiro jogo e mais gols de cabeça. Vasco, Atlético-MG e Santos. Contra o Atlético mesmo foram "apenas" três e todos mais por erro do posicionamento do que virtude de atletas adversários. Nesse ponto não há desculpa, isso é o básico e já deveria estar funcionando desde o primeiro jogo em janeiro, independente de quem está jogando. É o mínimo que se espera para um jogador desta posição e também do técnico de uma equipe de futebol.

Já, o terceiro gol do Santos coloco na conta do risco que teríamos que correr. O time foi todo para o ataque tentar empatar ao final a partida (o que seria um grande resultado após tamanho prejuízo) e no contra-ataque o Santos ampliou. Fato normal no futebol. O problema foram os dois primeiros gols e não o terceiro.

3 comentários:

  1. Acho que poderemos voltar a ter um lateral direito em breve. O G. Lucas não foi uma unanimidade, perdeu divididas, não alcançou várias bolas e perdeu outras tantas, porém, me pareceu que leva jeito para a coisa e me deu a experança que com essa semana inteira e a próxima também para treinamentos, no jogo seguinte ao do América-Mg já tenhamos um lateral-direito... Bom, melhor que o Felipe ele já mostrou ser... heheheh...
    O que me preocupa agora é o ataque e a defesa. O ataque me preocupa pois jogar com o Willian isolado na frente é complicadíssimo. Estamos jogando com times de Série A, com dois ou 3 zagueiros com qualidade. Todo mundo estuda o adversário e fica fácil ir jogar contra o Avaí, pois o Willian sozinho não vai dar conta de 2 ou 3 zagueiros de qualidade... É muita coisa para ele... A defesa me preocupa por motivos e o primeiro deles é que o tal de Gustavo Bastos só jogou contra o São Paulo... O Gian já mostrou que também não é aquilo tudo. o Émerson Nunes é pequeno demais... o Bruno é uma improvisação... e, apesar disso tudo, o Avaí traz um zagueiro que tem no currículo a reserva do Coxa na série B e a reserva do Botafogo de RP. Demais para mim. Além disso, como jogamos com o Willian isolado na frente, o Estrada isolado no meio e com um tal de Marquinhos Gabriel (que na minha opnião deveria ter sido devolvido ao Inter B, assim como fez o Criciuma com os que foram pra lá vindos do Inter B) que não sabe o que quer, passamos 90% do jogo sendo atacados... daí mesmo que tivéssemos o David Luiz e o Tiago Silva, seri complicado de não levar gols... Portanto, precisamos de conrtatações de qualidade e de uma mudança tática na equipe...
    Silas, não temos mais uma zaga com Emerson e Augusto muito bem na bola aérea e Rafael com rapidez e agilidade nos desarmes com bola no chão. Não temos mais o Muriqui que não deixava nem o Marquinhos sozinho na meia muito menos o Willian sozinho no ataque.. Além disso com aquela zaga que tínhamos, nossos alas poderiam dar apoio ao meio e ao ataque... também tinhmaos um volante forte na maracação e forte no apoio... Por isso funcionava... Agora não temos mais isso...
    Acho que um novo treinador que veja isso é essencial para tentar achar uma nova foram desse time jogar...

    abraços,

    ResponderExcluir
  2. Pô, corrije lá, escrevi esperança com x... hehehe... nào foi confusão não, deve ter sido na digitação.. abraço,

    ResponderExcluir
  3. Sobre o plantel penso o seguinte, um time que jogou a bola que jogou contra o São Paulo (3 X 1, na Ressacada) não deve ter tanta falta de qualidade como se pensa. Ali eu pensei que o time tinha afinado e que o Vasco não resistiria. O que se viu, porém, foi um bando sem vontade, sem sangue, contra o Vasco, porque jogador jamais consegue enganar o torcedor quando simula alguma coisa. A vibração, a bunda no chão, a raça, são coisas muito evidentes e difíceis de simular. Além do novo treinador o Avaí tem que investigar possíveis problemas prejudicando o ambiente dentro do grupo. - Roberto Costa

    ResponderExcluir

Comentários anônimos serão excluídos. Sugere-se a utilização das demais formas de identificação disponível.