sexta-feira, 22 de julho de 2011

Falcão aprovaria, por Lédio Carmona

Não o primeiro tempo, mas a atuação na etapa final. Quando viu que não podia mais adiar sua ida ao jogo, o Internacional amordaçou o Avaí. Empatou, virou, ampliou com gols que arrancariam aplausos de Falcão e dariam sobrevida ao rei destronado. O Rei de Roma levaria mais charme ao Colorado na Copa Audi na Alemanha.

O jogo era na Ressacada e quem manda lá mandou no primeiro tempo. No combate mais por espaço do que pelo controle, o Avaí encontrou alguns e deu pinta de que sairia vencedor. Saiu só da etapa inicial, no gol do persistente William. Perdeu o pênalti, não o rebote. Veio o segundo tempo e depois Andrezinho, para mudar o curso da partida.

Entrou para mandar no meio-campo e para as redes, para empatar, depois da parede e passe de Damião. Com o amigo que saiu do banco, o camisa 9 chamou os holofotes para si. Com a cabeçada-fuzil no cruzamento pra lá de preciso de Nei e no toque que botou D’Ale na cara do gol para fazer. O terceiro teve transição ligeira defesa para ataque, toque de bola, trama e bola na rede. Bonito como Falcão queria. Deve ter aplaudido. Em frangalhos e reconstrução, a luz no fim do túnel avaiano fica cada vez menor.

Fonte: http://sportv.globo.com/platb/lediocarmona

Um comentário:

  1. A última frase do Lédio Carmona retrata com precisão os dias atuais do Avai.
    Tudo isso ainda é reflexo daquele planejamento super equivocado realizado no início do ano.
    Temos que ter alguém com competência para pensar todo o ano do clube, com antecedência de no mínimo seis meses, com calma, com segurança, com acerto.
    Inclusive, acho que já deveria ter alguém fazendo isso para o ano que vem, um trabalho duplo, considerando duas possibilidades, a Série B e, acreditando em mais um milagre, a Série A.

    ResponderExcluir

Comentários anônimos serão excluídos. Sugere-se a utilização das demais formas de identificação disponível.