segunda-feira, 22 de agosto de 2011

“CONTA PRÁ NÓS!”

E aí, a conclusão é uma só: Gallo estava muito certo em afastar determinadas pessoas. Alexandre Gallo não teve nenhum culpa. Se confirmadas essas suspeitas, comprova-se, na prática, que se tratam de maus elementos, “laranjas podres” que só pensaram em si (ou quem sabe em seu “Deus”) e prejudicaram o clube, a torcida e seus companheiros de trabalho. O certo: mandá-los embora, contando a verdade para a torcida. Conta prá nós!!!!

Não tem dinheiro para rescindir? Então, não concordo com a sugestão do leitor Jacson N. no e-mail, mas reproduzo porque o espaço tem que ser democrático, não é? “A Diretoria tem que contar para torcida quem são os agitadores. Vagabundos como estes não podem passear no shopping, comer em restaurantes na cidade ou sair para tomar cervejinhas nos barzinhos sem que sejam cobrados. São empregados do clube e o clube é nosso também São traidores e local de traidor é em casa.”

Jacson, como todo dia sai uma coisa do Avai para a imprensa – me desculpem, mas o Avai é um “queijo Suiço” – quero te informar que um funcionário do clube também me contou ontem, depois de alguns whiskinhos, cada detalhezinho de uma calhordice comandada por alguns jogadores neste período do Gallo. São poucos...aliás, 5 nomes – 3 estão no clube ainda. E conforme o meu humor, após o final do primeiro turno os nomezinhos deles serão publicados aqui e aí nós vamos ver quem “tem garrafa vazia para vender”.

<<Mais detalhes na postagem a seguir>>

2 comentários:

  1. Pedro, que queriam derribar o Gallo era claro.
    Evidente que em qualquer time existem grupos de religiosos, de turma da noite, de responsáveis e por aí vai. Para o clube basta que trabalhem a favor e em caso de jogar contra devem ser afastados imediatamente.
    Imagino que o M. Guerreiro, pela forma como saiu deva ser um dos que agitaram.

    O Gallo, olhando como torcedor, não me parecia uma pessoa que tinha carisma e trazia o grupo, ou os grupos de jogadores para jogarem por ele. No inicio até gostei da forma como o time evoluia dentro de campo, apesar das nítidas carências no elenco, mas depois os jogadores pararam.

    Infelizmente isso é rotineiro no futebol, veja o caso recente do Carpegiane no SP, do Jr. que perdeu a batalha para o jovem Neymar no Santos.

    Não o quero mais no Avaí, mas o Silas fazia essa aproximação com os atletas muito bem.
    Acho que o Goiano fez o mesmo na mundiça.

    Outra coisa, além disso o próprio Gallo se perdia ao fazer revezamento e não definir um time.

    Dentro do post gostaria de ver nomes, mas sei que isso não vai rolar, de qualquer forma, acho que deverias guardar para divulgar após o término dos contratos deles no Avaí.

    Nesse ponto eu sinto falta do Eduardo Gomes, pois ele avaliava o perfil de cada atleta antes de contratarem.

    Outra coisa: O que o BANANA do Mauro Galvão faz (ou deixa de fazer), já que ele é o grande responsável pelo Dpto de futebol do clube???

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Opa, tá começando a ficar bom esse blog. Gostaria de saber quem são estas laranjinhas podres.

    Suspeitos a gente já tem.

    ResponderExcluir

Comentários anônimos serão excluídos. Sugere-se a utilização das demais formas de identificação disponível.