segunda-feira, 8 de agosto de 2011

A importância do Bruno, por Roberto Costa

O Bruno, em quase toda derrota em que ele não jogou, a sua ausência foi comentada e sentida, ontem repetiu-se. Se o Bruno é tão importante assim, e parece que é, por que não se providenciou um outro jogador do mesmo estilo, de mesmo futebol vigoroso para suprir as suas ausências? Outra coisa, dizem que vem um meia, de novo muito bom, pra chegar e jogar. Seria, de novo, o mesmo filme?

Nossa diretoria não pode esquecer que a defesa é nosso ponto fraco. Gustavo Bastos é lento demais. Pra mim a idade do Caçapa, por si só, é preocupante. Vale lembrar, vem aí o clássico, uma manifestação prévia, de quem se preocupa com a arbitragem, deve ser feita previamente de parte da diretoria, isso pode moderar o "animus complicandi" do soprador que será "sorteado." Seguro morreu de velho. Dizem que Célio Amorim já afia o bisturi, digo, o apito. - Roberto Costa (O nosso)

Um comentário:

  1. ROGÉRIO, além da falta que faz o Bruno, há que se considerar também a falta de qualidade da nossa zaga. Tem gente alí que treme, que joga com bola quente o tempo todo. O zagueiro Augusto, o Luís Ricardo, o Ferdinando, são jogadores já conhecidos nossos, fizeram parte do grande time do Silas e sabemos que não tremem, podíamos tê-los trazido, todos melhores que a cacalhada que aí está. Estão na segundona. Quem sabe o Avaí, numa negociação envolvendo trocas, traria esses jogadores de volta? - Roberto Costa

    ResponderExcluir

Comentários anônimos serão excluídos. Sugere-se a utilização das demais formas de identificação disponível.