sexta-feira, 9 de setembro de 2011

O grande nojo (por Roberto Costa, O nosso)

Há uma expressão muito antiga e difundida: "Nos pequenos frascos os grandes perfumes".

Então a pergunta: Pode um grande nojo caber num recipiente pequeno?

Uma certa figurinha falando hoje, disse antecipadamente não ser advogado do brócole, e após isso passou a justificar a idéia de poupar jogadores com base na análise sanguínea (fator K), que o treinador de lá pretrende fazer.

Se não me falha a memória, essa figurinha, quando o Avaí colocou em prática esse procedimento, caiu de pau em cima, alegando um monte de besteiras de seu feitio.

Asas eriçadas e bico aberto, como um garnisé agitado, passou a refrear todos os ímpetos do imprevisível Brito, que criticava a medida no âmbito do brócole.

Passando aos minutos finais do programa, dedicados às coisas do Avaí, a figurinha mudou o tom de voz e vomitou seu vinagre pútrido, catando aqui e alí quinquilharias para agredir o Clube da Ressacada, inclusive anunciando clima desfavorável para Toninho Cecílio.

Minha gente, se pau mandado existe...

Concluindo, um grande nojo, fedido e apodrecido, cabe sim num recipiente pequeno e enrugado. Roberto Costa (O nosso).

Seja o primeiro a comentar

Postar um comentário

Comentários anônimos serão excluídos. Sugere-se a utilização das demais formas de identificação disponível.